A EXPOSIÇÃO ELEFANTE BRANCO ACONTECEU ENTRE 5 A 26 DE JULHO DAS 14 ÀS 20 HORAS NA RUA FRANÇA 117, JARDIM EUROPA, SP

mais informações pelo contato tuliotavares@yahoo.com.br

desenho base convite copy copy


Artistas – Alexandre Fehr, Ana Paula Oliveira, Antônio Brasiliano, Cibele Lucena, Eduardo Verderame, Esquizotrans, Flávia Sammarone, Joana Traub Csekö, Júlia Csekö, Marcos Vilas Boas, Mônica Rizzolli, Peetssa, Renato Pera, Rodrigo Araújo, Ruth Zaragoza, ,Túlio Tavares

Pensadores – André Mesquita, Cauê Alves, Fabiane Borges, Flávia Vivacqua, Ricardo Ramalho

Organização – Alexandre Fehr, Eduardo Verderame, Túlio Tavares

Trabalhos de arte ocupam uma grande casa no Jardim Europa, onde artistas e pensadores são convidados a estabelecer diálogos entre si,estabelecer redes com corpos vivos e a casa, adensar a experimentação,expor o que está escondido: um movimento cultural como obra de arte. O lugar da arte é uma plataforma de experimentação, de tempo e espaço lterado. A Casa é o refúgio onde protegidos da pressão exterior, é possível arriscar e nos aventurar numa rede de diálogos e apresentá-los ao público. A dúvida e o inesperado são parte enriquecedora desse processo, e com eles uma trama mais complexa é criada. O mais importante é estabelecer essa rede e a partir dela produzir conhecimento artístico dentro desse espaço temporariamente ocupado.

TULIO TAVARES ELEFANTE BRANCO480

ARTISTAS

*
Alexandre Fehr
Brasileiro, nasceu em 1976. Artista plástico, mas formado em Relações Internacionais pela FAAP. Trabalha e estuda com artes plásticas desde 1994. Usa diversas técnicas como pintura, fotografia, escultura e instalação e intervenção urbana. Seus trabalhos buscam mostrar o desconforto e a solidão do homem cotidiano.

alexandre ferh

*

Ana Paula Oliveira
nasceu em Uberaba mas vive em São Paulo , é artista plástica e professora de arte. Seu trabalho lida com questões na ocupação do espaço, através de instalações cria e estabelece tensões para acionar o espaço. Fez exposições em algumas instituições como CCSP, onde recebeu premio aquisição, Capela do Morumbi, Museu de Ribeirão Preto, Centro Universitario Mariantonia, entre outros.

ana paula oliveira elefante branco (4)

*

Antônio Brasiliano

é fotografo free lancer, contribuinte de varias publicações das editoras Trip e Abril, é editor de imagens da revista Ocas” desde 2006 e professor do curso técnico de fotografia do Senac.  Têm seu trabalho autoral focado nas aspirações urbanas das grandes metrópoles. ” Favelas, albergues e cortiços, espaços muitas vezes “invisíveis”, ganham projeções sinceras e verdadeiras através de suas lentes.” Parte desses trabalhos foram expostos em galerias como Paço das Artes (2005), MIS (2005), Virada Cultural (2007  e 2009), Galeria Olido (2009), entre outras.”

antonio brasiliano elefante branco

*

Eduardo Verderame
é artista plástico e curador, mora em São Paulo, Brasil. Graduado em artes pela Universidade de São Paulo em 1996. Seu trabalho trata de assuntos como universos imaginários, utopias e desencantos, e a decadência de códigos culturais. Desde 2001 faz curadoria de exposições e eventos com um foco no espaço urbano como o palco para a intervenção plástica. Co-fundador e membro de dois coletivos da arte, o EIA (Experiência Imersiva Ambiental) e o Esqueleto Coletivo; ambos os grupos organizam festivais e eventos da arte contemporânea nas ruas de São Paulo, promovendo a ecologia, direitos humanas e o uso livre do espaço público.
http://everderame.wordpress.com

ev
*
Esquizotrans
é um coletivo dedicado a pensar o universo queer, criar eventos eróticos, produzir rupturas no sistema heteronormativo, escrever textos com cunho sexual e político, além de militar em áreas contra propriedade intelectual, a favor da colaboraçao livre. Lançou ano passado o movimento esquizerda, além de uma série de eventos relacionados a prostituiçao, a transexualidade, apoiou e apoia as transmutaçoes dos corpos e dos gêneros e realizou a criaçao de tres filmes: Mulher Bicha, Nao Falo, Danço, e Papo de Homens. Está com o livro (no prelo) chamado Breviário de Pornografia Esquizotrans.
http://esquizotrans.wordpress.com
http://www.youtube.com/user/esquizotrans
cabeça com frango leve copy copy
*
Flávia Sammarone
brasileira, nascida em São Paulo no ano de  1975. Artista Plástica e Educadora. Formada em Bacharelado e Licenciatura pela Fundação Armando Álvares Penteado de São Paulo. Desde 2000 realiza seu trabalho artístico participando de exposições no Brasil e no Exterior, sendo algumas destas produzidas e organizadas pela artista. Integrou e trabalhou junto a coletivos de arte como Tranca-Rua, EIA e Grupo Sérgio que realizam trabalhos de intervenções urbanas em espaços públicos. Atua na área de arte educação ministrando oficinas de arte, de alfabetização de adultos, e projetos como Ação Educativa da 27ª e 28ª Bienal de Arte de São Paulo.

http://flaviasammarone.wordpress.com/

DSC_1503 copy copy

*
Joana Traub Csekö

nasceu em Denver, Colorado (EUA), em 1978. Vive e trabalha no Rio de Janeiro.Joana cria mecanismos intrínsecos ao funcionamento de suas imagens, como segredos, que atraem e comunicam, mas simultaneamente desarmam o olhar do espectador. Imagens dissonantes, que querem de nosso olhar o tempo de cismar, mirar, e não a atenção intermitente e fragmentada do cotidiano imagético em que vivemos imersos. Na prática da artista, a fotografia torna-se uma forma possível de estar em contato com a sociedade contemporânea, de tornar visível, desvelar, através da captação e do subseqüente engendramento do real, aspectos de nosso meio circundante tanto físico, quanto simbólico.
Graduada em Comunicação Social pela Escola de Comunicação da UFRJ e mestre em Linguagens Visuais pela Escola de Belas Artes da UFRJ. Entre 2000 e 2004 foi aluna da Escola de Artes Visuais do Parque Lage (RJ). Faz parte do Grupo PY, coletivo de artistas do Rio de Janeiro, através do qual concebeu e coordenou exposições/eventos tais como o Pyrata (barca Rio-Niterói), Pylar (casarão em Santa Tereza) e FEBEARio (Espaço Cultural Sérgio Porto). Em 2008 realizou a exposição individual “série HU” na Galeria Novembro (RJ). No momento co-dirige com Pedro Urano o documentário “HU”, premiado pelo edital DocTV IV (TV Brasil-MinC). Obras na coleção Gilberto Chateaubriand, MAM-RJ. Exposições recentes (2007-09): Nova Arte Nova, CCBB São Paulo-SP. A rua é nossa… É de todos nós! Institut pour la Ville en Mouvement (Ano França no Brasil), CCJF, Rio-RJ. FotoRio 2007, Galeria de Arte IBEU, Rio-RJ. Novas Aquisições 2006-07 – Coleção Gilberto Chateaubriand, MAM-RJ.
http://www.novembroarte.com/#/artistas/joanatraubcseko/
http://www.novembroarte.com/#/expos/seriehu

divulgaçao_elefante-jtc copy copy

*
Júlia Csekö
Denver, EUA, radicada no Rio de Janeiro, RJ) é formada em Escultura pela Escola de Belas-Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro, tem especialização em Arte e Filosofia pela PUC Rio e estudou Dança na Escola Angel Viana – RJ. Expõem desde 2003 no Brasil e participou de mostras internacionais no Canadá, Espanha e Inglaterra. Tem obras nas coleções Gilberto Chateaubriand, Mr. Stanlee Gatti, (Estados Unidos) e British Columbia University Museum (Canadá), entre outras. Sua produção é dividida em diferentes ramificações e técnicas tais como escultura, pintura, instalações e performances.
Suas esculturas da série “Híbridos” utilizam vestes e formas orgânicas feitas de veludo, num amálgama de “formas-corpos”.  Os “Hibridos” operam uma equação de distanciamento e reflexão acerca da condição humana e as inúmeras variáveis que constroem a existência. A presença das roupas alude ao insólito, ao resquício do familiar e do humano.
Idealizadora e cofundadora do GrupoPy, entidade catalizadora de artistas para realização de eventos de arte independentes. O GrupoPy já realizou cinco eventos desde sua formação em 2005, sendo o traço principal de suas ações a ocupação de espaços por artistas de diferentes gerações e a criação de espaços para o diálogo no campo das artes visuais.
www.julia.cseko.nom.br

Júlia Csekö

*
Marcos Vilas Boas
Fotografa horizontes marítimos desde 1994. Em 1997, inicia o projeto “Horizonte Reto”, com imagens noturnas de linhas de horizonte marítimo, que foi apresentado no dconcept escritório de arte, em 2003 e 2008. Naquela ocasião, manipulava as imagens durante longos períodos expositivos noturnos, prosseguindo posteriormente com longas exposições durante o dia. “Em lugar do “snapshot”, que tão bem define a experiência visual contemporânea, uma fotografia que se dá no tempo, vagarosa. Em lugar do horizonte urbano acidentado, do nosso cotidiano estilhaçado, o horizonte reto da paisagem marinha.. São fotografias reflexivas que quase instauram em quem as observa a quietude e concentração de quem as construiu, com a escuridão ou o brilho a cegarem o “olhar informado”. Esta fotografia instintiva também se vê com a intuição.” JULIANA MONACHESI

Possui trabalhos publicados em revistas como Bravo, Trip, Vogue, Rolling Stone, MTV, SN.o, Big Utopia, Wallpaper, entre outras. Seus ensaios fotográficos ilustram projetos gráficos da gravadora Trama. Realizou ensaios fotográficos para longas como “Lisbela e o Prisioneiro” (2003), de Guel Arraes e do “Carandiru” (2002), de Hector Babenco. Participou de exposições coletivas na Casa das Rosas, Galeria Sesc Paulista, Casa da Lapa, Galería de Ángeles (Espanha), Festival Brasil no Ar (Espanha) e também no Teatro Oficina, em São Paulo. http://www.marcosvilasboas.com.br/

marcos vilas boas

*
Monica Rizzolli
Artista Plástica, residente em São Paulo, é também performer e ilustradora. Formada pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). Criadora e organizadora do evento [In.CoRpo.Ro] ações performáticas e da [In.CoRpo.Ro] Mag (artigossobre performance art). Como educadora trabalhou em diversas instituições culturais e museológicos, tendo como foco principal o ensino da História da Arte.
http://www.flickr.com/photos/mrizzolli/

mr copy copy copy

*
Peetssa
Fotógrafo free-lancer para revistas (Trip, TPM, VIP, Bravo!, etc.). Desenvolve trabalho pessoal artístico baseado em intervenção urbana, vida pública e arte política juntamente aos grupos Contra Filé, Bijari, Frente 3 de Fevereiro, Menossões, Nova Pasta, E.I.A. e outros.
Membro da Brigada de Incêndio de Lençóis, Chapada Diamantina, integrante do G.V.B.S. P.E.T.A.R. (Grupo Voluntário de Busca e Salvamento do Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira), dedica se a projetos relacionados a ecologia e preservação ambiental.
www.peetssa.com.br

TODOS TEM PODER.

*

Renato Pera
Interessa-se pela relação do desenho com a arquitetura, desenvolvendo projetos para instalações e para arquiteturas específicas com o intuito de criar ambientes ficcionais. Interessa-se pela pesquisa de materiais e de soluções gráficas para a ocupação espacial, a partir de um pensamento sobre questões de escala e sobre a relação do observador com os espaços fictícios criados. Realizou projetos em pareceria com a artista plástica Flora Assumpção, com quem trabalha desde 2006. Para a exposição Elefante Branco, apresenta o projeto individual “ESPIRAL (CAVA)”, site-specific que consiste na colocação de um backlight com a imagem de uma galáxia dentro de um buraco no jardim dos fundos do casarão, local afastado das áreas de intensa atividade social.

ESPIRALfinal15x15cm300dpi[1]

*
Rodrigo Araújo
Arquiteto, residente em São Paulo. Formado pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP em 2000. O espaço público e suas relações são foco central do trabalho, que transita dos meios analógicos aos digitais para questionar para quem, como e com quais valores a cidade está sendo construída. Integrante do Grupo BijaRi, no qual desenvolve trabalhos nas áreas de artes visuais, design e vídeo.
www.rodrigoaraujo.art.br

ra2

*

Ruth Zaragoza

Nasceu em Madison, Wisconsin, EUA, vive e trabalha na Espanha. Barcelona.
Formada em Belas Artes pela Universidade de Barcelona 1998, e doutorada na Universidade Politécnica de Valencia, 2007. Atualmente e professora de pintura na Universidade de Zaragoza.
Ruth cria a partir do uso de elementos e objetos cotidianos, criando uma descontextualizarão do objeto. O novo ready-made industrial na era da globalização, mostrando a sua preocupação com o consumismo como um problema da nossa era do século XXI.
Tem participado de exposições coletivas e individuais, no Centro de Cultura Contemporânea de Barcelona, BAC 08; Em vários festivais de arte contemporânea no FAD, hoje em dia parte do MACBA, Museu de Arte Contemporânea de Barcelona; Na galeria Colorelefante de Valencia, no ano 2008 e 2005; Tem trabalhado com coletivo de arte como RUNA e Galeria DUPP em varias performances ao longo da sua atividade artística. Participou também de workshops como o do cubano René Francisco e do mexicano Gabriel Orozco. Expôs nas Bienais da Havana dos anos de 2003 e 2009.

phebo

*
Túlio Tavares
Artista plástico residente em São Paulo. Intervenções urbanas, performances, manipulações da mídia, projetos curatoriais e mostras de arte somam-se a desenhos, pinturas, vídeos e fotografias. Os trabalhos transitam por espaços públicos e privados da cidade, muitas vezes aplicados sobre a vida cotidiana, acompanhando as inquietações, desafios e contradições da vida na grande metrópole. Simultaneamente o autor produz trabalhos que exploram liberdades temáticas, discussões técnicas e estéticas, assuntos unicamente referentes à arte. O trabalho acontece entre museus, galerias, equipamentos públicos, publicações, ruas e ocupações.
http://tuliotavares.wordpress.com/

tt copy copy

*
PENSADORES

*

André Mesquita
É jornalista e mestre em História Social pela Universidade de São Paulo, onde defendeu em setembro de 2008 a dissertação “Insurgências Poéticas: Arte Ativista e Ação Coletiva (1990-2000)” (www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8138/tde-03122008-163436). Atualmente é doutorando pelo mesmo departamento com uma pesquisa sobre “mapas e diagramas dissidentes” e suas diferentes cartografias sobre o capitalismo contemporâneo. Em 2006 e 2007, foi um dos colaboradores do Memefest Brasil (brasil.memefest.org), festival de comunicação radical criado na Eslovênia. Como editor, vem cuidando desde maio de 2007 do site Rizoma (www.rizoma.net). É integrante do coletivo Verdurada (www.verdurada.org), um dos eventos independentes mais importantes do País, e participa de diversas iniciativas ativistas relacionadas a práticas de democracia direta, autogestão e movimentos sociais. Alguns de seus desenhos e ilustrações podem ser vistos na página www.flickr.com/photos/xdedex. Musicalmente, compõe com Eulália, seu projeto post-rock/experimental (www.eulalia.kit.net).

*
Cauê Alves

é formado em Filosofia pela FFLCH-USP, onde defendeu mestrado e atualmente desenvolve pesquisa de doutorando. Foi professor de filosofia e história da arte da Universidade Cidade de São Paulo. Atualmente é professor de história da arte do curso de arquitetura e urbanismo da Escola da Cidade e docente da Faculdade de Comunicação da FAAP. É membro do Corpo Editorial da Revista Número, curador do Clube da Gravura do Museu de Arte Moderna de São Paulo.Foi colunista da revista mensal Bien’art, membro do Conselho Consultivo de Artes doMAM-SP, e um dos curadores da exposição “MAM[na]OCA: arte brasileira do acervo do Museu de Arte Moderna de São Paulo.

*
Fabiane Borges

doutoranda em psicologia clínica – Puc.SP, psicóloga, pesquisadora de arte e comunicaçao.
http://cassandras.multiply.com
http://catadores.wordpress.com
http://www.youtube.com/user/catadores
http://picasaweb.google.com.br/catadores
http://estudiolivre.org/el-user.php?view_user=fabiborges

*
Flávia Vivacqua

nascida em São Paulo no ano de 1975. Artista, Educadora e Designer Cultural e Sustentabilidade. Formada em Licenciatura em Artes Visuais pela Faculdade de Belas Artes de São Paulo. Teve como primeira formação as Artes Cênicas pelo Teatro Escola Célia Helena, Teatro Escola Macunaíma e Scuola Internazionale Dell’attore Commico, na Itália, especializando-se em Mascaras e Teatro de Rua. Especializou-se em ‘Teoria e Prática da Educação Popular junto aos movimentos populares, pelo Instituto Sedes Sapientiae/CEPIS. Designer de Sustentabilidade e desenvolvimento de assentamentos humanos sustentáveis pelo programa Gaia Education da Global Ecovillage Network, chancelado pela ONU. Desde 1998 vem realizando exposições de suas performances, intervenções, instalações e fotografias em diversas cidades Brasileiras e no exterior (http://flaviavivacqua.wordpress.com) e também, palestras e oficinas sobre arte, cultura, ecologia, economia criativa, novas organizações colaborativas, e processos coletivos de trabalho e criação. Articuladora da rede CORO – Coletivos em Rede e Organizações, ativa desde 2003 (www.corocoletivo.org). Como Designer Cultural e Sustentabilidade, desde 2000 realiza festivais, intercâmbios e curadorias como ReverberAções (PRÊMIO Cultura e Pensamento 2006 para Seminário Ritmos da Urgência – www.reverberacoes.com.br) e Programa ‘Interações Florestais – Residência Criativa na ecovila Terra UNA (PRÊMIOS Conexões Artes Visuais 2007 e Interações Estéticas 2008 – www.terrauna.org.br). Diretora fundadora da Nexo Cultural, agencia de Designer Cultural e Sustentabilidade para consultoria, estratégia, desenvolvimento e facilitação de projetos e processos (www.nexocultural.com.br).

*

Ricardo Ramalho

artista plástico e curador brasileiro, atualmente reside no Porto, Portugal. Formado na Faap, e aluno de mestrado da Universidade do Porto, ja realizou inúmeras exposições coletivas, individuais, e performances. O perfil de trabalho artístico e curatorial valoriza a tensão entre uma crítica institucional do sistema de arte e a valorização do vocabulário oficial da arte. www.ricardoramalho.multiply.com

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.